Ilhabela divulga programa de Apadrinhamento Afetivo

Programa resgata direito de convivência familiar de jovens.

 

A Comarca de Ilhabela e o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA) realizaram, na terça-feira (9), roda de conversa com a participação de profissionais das áreas de Psicologia, Assistência Social, Educação e Saúde, que atuam com crianças acolhidas para sensibilizar a comunidade sobre a questão da adoção tardia e estimular novas adesões ao programa de Apadrinhamento Afetivo. O evento, realizado na sede do CMDCA, reuniu 30 pessoas. A ação também contou com a parceria do Conselho Tutelar, da instituição de acolhimento Lar Feliz, de Ilhabela, e da equipe da instituição de acolhimento de São Sebastião.

O programa de Apadrinhamento Afetivo visa resgatar o direito de convivência familiar e comunitária para crianças e adolescentes que possuem remotas possibilidades de reinserção em suas famílias de origem ou de adoção. Padrinhos e/ou madrinhas são voluntários que se dispõem a manter contato direto com o “afilhado” com a possibilidade de sair para passeios e atividades fora da instituição de acolhimento, ampliando os horizontes e as referências dessas crianças.

Para ser padrinho afetivo, o interessado deve ser maior de 21 anos e ter, pelo menos, 16 anos a mais que a criança/adolescente que pretende se vincular. Os documentos necessários são Carteira de Identidade (RG); Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); Certidão de Casamento ou Certidão de Nascimento; comprovante de residência em Ilhabela ou nas cidades vizinhas (como São Sebastião e Caraguatatuba); comprovante de rendimentos; e atestado ou declaração médica de sanidade física e mental.

As inscrições para o cadastro no programa podem ser feitas no setor psicossocial do fórum, de segunda a sexta-feira, das 11 às 16 horas. O setor técnico do fórum realizará, em novembro, uma oficina com os novos pretendentes para abordar assuntos pertinentes ao programa. Os postos de saúde, escolas, Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) divulgarão o programa de Apadrinhamento Afetivo por meio de cartazes.

Segundo o juiz Vitor Hugo Aquino de Oliveira, responsável pela unidade judicial, a relação que se estabelece entre um padrinho e/ou madrinha afetiva é rica e prazerosa para todos os envolvidos. “Estamos lançando esta campanha com o intuito de cadastrar novos padrinhos e madrinhas que possam compartilhar laços amorosos familiares e comunitários, apoiar nossas crianças e adolescentes na construção de uma vida mais autônoma e significativa”, afirmou o magistrado.

 

        Serviço

        Inscrições para o cadastro no programa de Apadrinhamento Afetivo

        Local: Setor psicossocial do Fórum Dr. Manoel Pedro Pimentel

        Endereço: Rua Benedito dos Anjos Sampaio, 29 - Barra Velha - Ilhabela

        Período: Outubro de 2018 - de segunda a sexta-feira - das 10 às 16 horas

        Telefone: (12) 3895-8734 - ramais 21 e 31 

 

        Comunicação Social TJSP – VT (texto) 

        imprensatj@tjsp.jus.br

COMUNICAÇÃO SOCIAL

NotíciasTJSP

Cadastre-se e receba notícias do TJSP por e-mail