Lei que criou cartão cidadão em Guararema é julgada inconstitucional

        O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo julgou procedente, em sessão realizada no último dia 30, a Ação Direta de Inconstitucionalidade da Lei Municipal nº 2.600/2009 e do Decreto 2.716/2009 do Município de Guararema, uma que instituiu e outra que regulamentou o cartão cidadão. A ação foi movida pelo procurador-geral de Justiça.    
        O procurador-geral alega que o cartão cidadão, como documento hábil e de porte obrigatório para acesso aos serviços públicos municipais de educação, saúde, esporte, lazer e assistência social, exclui quem não reside na localidade.
        Segundo o relator da ADIN, desembargador José Santana, vice-presidente do TJSP,  nenhum projeto de lei que implique a criação ou o aumento de despesa pública será sancionado sem que dele conste a indicação dos recursos disponíveis, próprios para atender aos novos encargos, exceção feita a créditos extraordinários.
        Em seu voto, o desembargador José Santana conclui: “... A Administração é obrigada a fornecer a qualquer cidadão certidão de atos, contratos, decisões ou pareceres para a defesa de seus direitos e esclarecimentos de situações de seu interesse pessoal. Referido direito não é condicionado a qualquer causa, inclusive quanto ao local de sua residência... O fato de a pessoa não residir em dada localidade não pode motivar a negativa da Administração em prestar as informações solicitadas”.          

        ADIN nº. 990.10.427914-3

        Assessoria de Imprensa TJSP – SO (texto) / DS (foto)
        imprensatj@tjsp.jus.br

COMUNICAÇÃO SOCIAL

NotíciasTJSP

Cadastre-se e receba notícias do TJSP por e-mail