EXPOSIÇÃO CONDENADOS OU ABSOLVIDOS?

Apresentação


Exposição Condenados ou absolvidos?

O fascínio causado pelos processos julgados pelo Tribunal do Júri


Nascido como o “Tribunal do Povo”, o Tribunal do Júri desperta o fascínio da sociedade. O calor dos debates, os personagens que se paramentam para um acontecimento brilhante da vida mundana, provocam forte apelo junto à opinião pública. Ao decidir entre a culpa ou a absolvição, o corpo de jurados demonstra o sentimento da sociedade em relação aos crimes que atingem nosso instinto mais básico, que é o de autoproteção.

Embora seja instituição quase bicentenária no País, a dramaticidade do Júri nunca desapareceu, mesmo diante do impacto das transformações sociais e do consequente surgimento de produtos simbólicos adaptados às características da sociedade de massas. Nem o cinema, nem a novela ou as séries de televisão foram capazes de tornaram obsoleta a função do júri como gênero assemelhado ao teatro e ao drama circense.

Instalada no antigo 2º Tribunal do Júri da Capital, a exposição: “Condenados ou absolvidos?” apresenta uma seleção de dez processos julgados pelas varas do Júri paulistas, custodiados por sua Reserva Técnica, e que continuam a fascinar o público, dividido entre a culpa e a absolvição.

Gestão Documental

Em 2009, o Tribunal de Justiça de São Paulo iniciou seu Programa de Gestão Documental, responsável pela organização, seleção, classificação, avaliação e destinação de processos arquivados. Reflexo da aplicação desse programa e seus instrumentos arquivísticos, foi criada a Reserva Técnica, um espaço físico, estratégico, destinado à preservação e conservação dos processos classificados como de importância histórica e valor permanente. Nesta pioneira exibição estão algumas ações selecionadas dentre os mais de cem processos já custodiados pelo setor.

A importância na preservação desses documentos está no conhecimento sobre o passado de homens e mulheres, sobre a história e as transformações ocorridas ao longo do tempo, seja no direito, seja na sociedade. Trata-se de patrimônio público insubstituível, fontes informativas originais de ações político-administrativas, antropológico-sociais, econômicas e morais de um povo.