Notícia

TJSP discute as diversas formas de violência contra a mulher
01/11/2017

“Apesar dos avanços da Lei Maria da Penha e da Lei do Feminicídio, as relações entre homens e mulheres são caracterizadas pela discriminação, pelo poder e pela dominação. A violência de gênero ainda é praticada e tolerada no nosso País.” Com essas palavras, a desembargadora Angélica de Maria Mello de Almeida, responsável pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça de São Paulo (Comesp), abriu as discussões do Cine-Debate “Precisamos Falar do Assédio”, realizado nesta terça-feira (31) pela Coordenadoria de Apoio aos Servidores (CAPS) e pela Escola Judicial dos Servidores (EJUS). O evento contou com 480 inscritos, dos quais 365 pela modalidade online.

A diretora do documentário “Precisamos Falar de Assédio”, Paula Sacchetta, contou que a ideia veio da necessidade de debater o tema. Em 13 horas de gravações, 140 mulheres expuseram seus traumas, sozinhas, de frente para a câmera do estúdio móvel montado em uma van, que percorreu as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, de 7 a 14 de março do ano passado. Algumas preferiram não se identificar e usaram máscaras. O filme retrata 26 delas, de diferentes idades, cores, orientações sexuais e classes sociais. Os 80 minutos do documentário falam de ameaças de morte, estupros, abusos sexuais familiares, violência psicológica e omissão de instituições do Estado.

O desembargador Antonio Carlos Malheiros, responsável pelo setor de Assédio Moral da CAPS, único homem participante da mesa de debate, disse ter ficado envergonhado. “Dos muitos tipos de assédios existentes, como bullying nas escolas e assédio moral no trabalho, esses são os mais terríveis.”

A desembargadora Maria de Lourdes Rachid Vaz de Almeida, vice-coordenadora da Comesp, destacou a importância de o TJSP discutir o assédio, sob suas mais diversas formas. “Estamos acompanhando o que está acontecendo na sociedade.” A mediadora do debate, juíza da Vara de Violência Doméstica da Região Norte – Foro Regional de Santana, Camila de Jesus Mello Gonçalves, complementou: “Trata-se de uma oportunidade preciosa para um tema difícil de ser falado”.

Mariana Varella, jornalista da área de saúde e ativista feminista, graduada em ciências sociais pela Universidade de São Paulo (USP), contou que não há dados disponíveis sobre o impacto da violência na saúde da mulher, porque as vítimas, normalmente, procuram ajuda apenas em casos muito graves ou quando fazem exame de corpo de delito. “Assédio e estupro infelizmente começam cedo. A gente não tem ideia da dimensão do problema e muitas vezes as doenças não são associadas ao trauma.” Ela chama a atenção para a necessidade de preparar o profissional para acolher a vítima.

Esse, inclusive, foi um dos temas que permeou as histórias do filme, a falta de acolhimento por parte de instituições e familiares em um momento de fragilidade e exposição.  A juíza integrante da Comesp Teresa Cristina Cabral Santana, que responde pela 2ª Vara Criminal de Santo André, ressaltou que a Justiça também precisa olhar para essas vítimas de outra forma. “Elas chegam com culpa e até com impossibilidade de trazer elementos probatórios. Temos que fazer parte da solução”, observou.

A advogada e cofundadora da FEMde – Rede feminista de juristas, Marina Ganzarolli, comentou que os jovens LGBT são cinco vezes mais propensos ao suicídio por sofrerem violências cruzadas. Servidores presentes e que assistiram via transmissão online pediram novos debates sobre o tema, mais especificamente sobre assédio moral. “As relações no ambiente de trabalho corroboram as outras formas de poder que temos na sociedade”, concorda Marina.

A diretora Paula Sacchetta contou que, antes de lançar o filme para o público, ela o apresentou apenas para as mulheres que participam do documentário. “Foi uma das conversas mais bonitas que já tive na vida. Elas descobriram que juntas são uma potência, pela coragem e acolhimento que receberam umas das outras”, contou. No site www.precisamosfalardoassedio.com, vítimas continuam relatando casos de abuso. “A dor não passa nunca, mas elas estão descobrindo como lidar com essas dores”, concluiu.

 

Comunicação Social TJSP – CD (texto) / KS (fotos)

imprensatj@tjsp.jus.br