Jovens acolhidos participam de corrida no Parque Ibirapuera

Evento foi organizado pela Vara Central da Infância.

 

        A Vara Central da Infância e da Juventude de São Paulo realizou ontem (15) mais uma corrida no Parque Ibirapuera com a participação de crianças e adolescentes acolhidos, padrinhos afetivos, voluntários, juízes e servidores do Tribunal de Justiça de São Paulo e dos abrigos. A vara já promoveu outras atividades semelhantes – a última corrida, por exemplo, aconteceu em outubro passado –, sempre com o objetivo de utilizar o esporte como meio de inclusão social, além de promover atividades de lazer, fora da rotina das casas de acolhimento.

        “Nossa ideia é criar oportunidades para os jovens, especialmente para aqueles que estão saindo dos abrigos, porque vão completar 18 anos. É um momento difícil, de muita ansiedade, e o esporte pode ajudar a aliviar esse estresse. Alguns têm potencial e estamos tentando inseri-los em corridas de rua”, contou a juíza Cristina Ribeiro Leite Balbone Costa, que atua na Vara Central da Infância ao lado da juíza Mônica Gonzaga Arnoni, que também estava presente.

        As magistradas fizeram questão de organizar uma premiação simbólica, com entrega de medalhas. Também foram distribuídas camisetas aos participantes e chocolates para as crianças. “No começo pensamos em uma atividade direcionada apenas aos jovens, mas os pequenos também queriam participar. É um momento bastante especial para todos. Além disso, proporcionamos a interação entre grupos de diferentes abrigos”, acrescentou Cristina Costa.

 

        Corrida

        Logo no início da atividade, por volta das 9 horas, profissionais voluntários da área de esporte e saúde iniciaram o aquecimento com os participantes: Rogério de Lucca, Rafael Reis e Marcela Zinezzi. Em seguida, foram divididos grupos, de acordo com o desempenho. Os três primeiros colocados correram nove quilômetros ao lado do juiz Iberê de Castro Dias, que também atua na área da Infância e da Juventude e atualmente é assessor da Corregedoria Geral da Justiça.

        Quando trabalhava em Guarulhos, o magistrado criou o projeto “Sua que é sua”, utilizando a corrida de rua como forma de inserção social dos jovens. A inciativa serviu de inspiração para a Vara Central da capital. “O ambiente de corrida de rua é absolutamente homogêneo. Todos estão ali com o mesmo objetivo, não tem ninguém melhor do que ninguém, todos se respeitam. Percebi que aquela era uma situação rara para essas crianças e adolescentes, que, em geral, viveram uma vida marginalizada. O esporte é uma forma de se sentirem integrados”, afirmou Iberê Dias.

        Júlio (1º colocado), Jonathan (2º colocado) e Guilherme (3º colocado) receberam suas medalhas, entregues pelos juízes, mas todas as crianças e jovens também ganharam, como forma de marcar sua participação, assim como ocorre nas corridas de rua.

        “Gosto bastante de praticar esporte e quero continuar treinando”, contou Jonathan. Ouvir essa frase e ver o sorriso no rosto dos participantes é motivo de grande alegria para a equipe da Vara da Infância, pois, o que mais desejam é oferecer a esses jovens a oportunidade de sonhar com dias melhores e de grandes realizações.

        Assista ao vídeo da corrida.  

 

        Comunicação Social TJSP – CA (texto) / AC (fotos)

        imprensatj@tjsp.jus.br

COMUNICAÇÃO SOCIAL

NotíciasTJSP

Cadastre-se e receba notícias do TJSP por e-mail